);
Widget Image

Atendimento especializado e descomplicado em Medicina do Sono e Neurologia. Dormir bem é algo essencial para ter qualidade de vida.

Agende uma consulta clicando aqui!

Últimas postagens

HORÁRIO DE ATENDIMENTO: 08:00 - 17:00
ESTAMOS EM: MANAUS
CONTATO: (92) 99901-5080 / (92) 99192-3240 / (92) 3659-3240
SIGA-NOS:

FISIOTERAPIA DO SONO: APNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO E O PAPEL DO FISIOTERAPEUTA

FISIOTERAPIA DO SONO: APNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO E O PAPEL DO FISIOTERAPEUTA

O sono é um fenômeno cíclico essencial ao ser humano, sendo que durante aproximadamente um terço de sua vida, o homem permanece dormindo. Através de estudos encefalográficos, demonstrou-se que ele pode ser dividido em 2 estágios distintos:

1. Fase não -REM

2. Fase REM.

A fase REM compreende aproximadamente 25% do tempo total do sono. Nesta fase, habitualmente a pessoa costuma sonhar, a respiração torna-se irregular, a atividade da musculatura respiratória diminui e ocorre relaxamento da musculatura esquelética. Assim, em razão da ocorrência das alterações fisiológicas citadas , facilita-se o estabelecimento do processo patológico da apnéia do sono.

Podemos definir a apnéia do sono, de uma maneira geral, como paradas repetidas e temporárias da respiração durante o sono . Diversos autores baseiam-se em diferentes critérios para definir apnéia, mas analisando diversas opiniões, podemos chegar a um consenso de que os portadores desta síndrome apresentam pelo menos cinco ou mais interrupções da respiração por hora de sono, podendo chegar a mais de trezentas apnéias por noite.

A incidência real da apnéia do sono (AOS) não é bem conhecida, mas acredita-se que nos Estados Unidos uma faixa de 7 a 18 milhões de pessoas são portadores(3) . Já para Sangal, 2% da população sofre deste distúrbio, sendo que destes mais de 40% queixam-se de sonolência diurna (4) . Young, afirma que os homens tem duas vezes mais chances de apresentar a apnéia do sono, e quanto mais idoso o indivíduo, maior a probabilidade dela ocorrer (5) . Segundo Azeredo, é comum ocorrer este processo em pessoas com 40 anos ou mais .

A síndrome da apnéia obstrutiva (SAOS) ocorre quando o esforço respiratório é iniciado, mas o ar não chega a atingir os pulmões devido a alguma obstrução na via aérea que compreende desde a região nasofaríngea até a laringe.  Pode acontecer quando:

  • Durante o sono REM, o indivíduo pode apresentar redução no tônus dos músculos da faringe e da laringe, podendo colapsar as vias aéreas superiores.
  • com a diminuição do tônus muscular esquelético no idoso
  • No palato mole longo, aumento da deposição de gordura e edema das partes moles, com restrição da passagem do ar .
  • Na obesidade
  • Ocorrendo hipertrofia adeno-tonsilar
  • Na macroglossia
  • Se houver tumores das vias aéreas
  • Ocorrendo alterações cerebrais que alterem a respiração durante o sono

O diagnóstico inicia com uma avaliação, baseada em entrevistas, com o próprio paciente e seus familiares . A fim de confirmar a hipótese diagnóstico de apnéia do sono, o exames específicos são solicitados tais como : eletromiografia, oximetria transcutânea, filmagem sonorizada do sono, eletroencefalograma, eletrooculograma, além de outros dependendo da etiologia do caso .

Após a identificação do paciente com apnéia do sono, é importante a classificação do grau de apnéia desde casos leves, moderados até os mais graves. Em casos leves, como problemas de ATM, de oclusão dentária, o tratamento pode ser realizado exclusivamente pelo cirurgião dentista através de aparelhos intra-oral ou por cirurgias feita pelo cirurgião buco-maxilo. Por outro lado, em casos moderados e principalmente, nos mais graves, a participação dos fisioterapeutas é fundamental, para que em sinergismo com os médicos, sejam estabelecidas soluções adequadas para as várias etiologias desta síndrome.

A ação médica baseia-se na prescrição de medicamentos específicos ou através de procedimentos cirúrgicos, indicados para cada patologia .

Em contrapartida, a atuação fisioterápica concentra-se em estabelecer o suporte ventilatório mecânico não invasivo domiciliar, adequando a cada caso a melhor terapia possível, com o propósito de manter permeável as vias aéreas superiores, impedindo seu colapso, principalmente na fase inspiratória . Para isso, dois modos ventilatórios podem ser indicados :CPAP (continous positive airway pression ) ou o BIPAP (bilevel positive airway pression ) .

O CPAP mantém a pressão positiva tanto na fase inspiratória, quanto na expiratória. A adaptação deste é feita através de máscaras faciais ou nasais. Geralmente as máscaras faciais são usadas em pacientes que apresentam vazamento de ar pela boca e as nasais para aqueles que não apresentam. O emprego do CPAP requer uma faixa de variação da pressão entre 5 e 20 cm de H2O, com valor ideal para supressão da apnéia e do ronco entre 6 e 12 cm de H2O . Existe também o auto-CPAP, que regula automaticamente o nível da pressão necessária durante o sono .

O BIPAP é utilizado em pacientes que necessitam de pressões elevadas, bem acima de 15 cm de H2O, mantendo-se diferentes níveis de pressão na fase inspiratória e expiratória .

Contudo, dentre os dois modos de suporte ventilatório, o CPAP vem se mostrando mais eficaz e com menores efeitos colaterais. Tanto ele, como os demais tratamentos, via de regra são utilizados durante o período noturno, embora nos pacientes com hipercapnia diurna, seu uso se faz necessário também durante o dia .

Pesquisas realizadas por Hernandez, que utilizaram CPAP em alguns indivíduos, e placebo em outros, comprovaram sua eficácia na melhora clínica dos portadores da apnéia do sono .

Desta maneira, podemos perceber a importância da ação fisioterápica no tratamento da síndrome da apnéia do sono, integrando-se harmoniosamente ao trabalho multidisciplinar necessário para solução deste complexo problema, objetivando a melhora da qualidade de vida dos pacientes.

Referências Bibliográficas:

1. http:// www.sbpt.org.br/home.asp?page=doencas/apneia_curiosidade.htm

No Comments

Leave a Comment

Iniciar conversa